Soldado ciborgue deve estar em campo de batalhas até 2050

EUA trabalham no desenvolvimento de soldado ciborgue, mistura de ser humano e máquina, para uso em guerras.

03/06/2020 às 9:00

Os exércitos do futuro poderão ser formados por um tipo diferente de soldado: o ciborgue. Em resumo, meio humano e meio máquina, esse soldado é uma previsão e um projeto do exército dos Estados Unidos. A ideia, enfim, é que ele integre as tropas no ano 2050.

O ciborgue deverá ter superforça, visão em infravermelho, audição ultrassônica. E ainda mais: o poder de controlar armas e outros artefatos apenas com o uso da mente.

Imagem que mostra o que terá esse soldado ciborgue.
No soldado ciborgue, muitas mudanças em relação ao ser humano.

A divulgação do super soldado do futuro foi feita pelo Comando de Desenvolvimento de Capacidades de Combate do exército norte-americano.

Robocop era ciborgue parecido

Entretanto, a ficção científica já antecipou isso. Assim sendo, você lembra ou já ouviu falar do filme Robocop, uma franquia que trouxe versões 1, 2 e 3 nos anos de 1987, 1990 e 1993? Veja o trailer do primeiro:

Em Robocop, afinal, a única diferença é que o ciborgue é um policial e não um soldado.

Primordialmente, o desenvolvimento do soldado meio máquina, meio homem está sendo feito por dezenas de cientistas, juntamente com militares, especialistas em ética e uma equipe e profissionais de múltiplas especialidades. Eles avaliam, inclusive, os impactos que o ciborgue e novas tecnologias de guerra terão na sociedade, além das mudanças nas próprias guerras.

Termo criado pela NASA

Aliás, o termo ciborgue foi criado pela NASA, em um estudo sobre impactos da vida no espaço. E ele significa uma fusão entre um corpo humano e organismos cibernéticos.

Os estudos atuais examinam as possibilidades de aprimoramento dos olhos, ouvidos, sistemas musculares e cérebros dos seres humanos. Em princípio, são tecnologias bem diferentes para cada um desses casos. Todavia, tudo isso pode ficar pronto bem antes de 2050.

Utilização na medicina

E o primeiro uso não deverá ser militar, mas médico. Segundo o relatório do exército norte-americano, “o mercado da saúde vai alimentar o desenvolvimento da simbiose homem-máquina, para diminuir ou eliminar perdas de funcionalidade devido a acidentes ou doenças”. Assim sendo, a expectativa é que teremos primeiramente um ciborgue civil.

Uma questão que ainda deve ser estudada e respondida é como seria a vida de um ciborgue na sociedade após a guerra. Os pesquisadores acreditam, portanto, que muito trabalho deve ser feito para mudar o coração e a mente das pessoas para conviver com um ciborgue. Aliás, o medo é que os ciborgues não sejam aceitos. E isso em virtude de seus superpoderes representarem uma vantagem competitiva sobre humanos em empregos convencionais.

Imagem distorcida do ciborgue?

Além disso, não seria possível devolver um ciborgue à sua condição humana após uma guerra. Para os pesquisadores, a imagem de humanos que receberam melhorias físicas por meio de máquinas tem sido distorcida pela literatura, redes sociais e cinema. E será necessário criar um novo e mais positivo patamar de compreensão.

Um trecho do estudo: “Uma percepção mais precisa da tecnologia e suas aplicações, tanto na ficção quanto na não-ficção, seria a base para que uma nova geração enxergasse a oportunidade e os benefícios para a sociedade da tecnologia ciborgue”.

Só para exemplificar, o aumento da capacidade de visão será feito nesse ciborgue do futuro com a substituição de partes do olho humano por implantes que possibilitem a visão em infravermelho e ultravioleta.

Visão noturna

Ou seja, o ciborgue vai enxergar no escuro. Além disso, as paredes da retina seriam usadas para mostrar fluxos de dados enviados pelo nervo ótico até o cérebro. Dessa maneira, o soldado ciborgue receberia e poderia compartilhar dados sobre o combate em tempo real, aumentando sua compreensão e capacidade de batalha.

Imagem de olhos de ciborgue.
Uma concepção artística de como poderia ser o olho do soldado ciborgue.

Por outro lado, afora uso em situações de guerra, essas tecnologias poderiam devolver a visão a pessoas cegas.

Músculos controlados à distância

O aprimoramento dos músculos do ciborgue seria feito com uma teia de sensores implantados sob a pele do humano. Esses sensores permitiriam que os membros fossem controlados à distância e seriam estimulados por impulsos elétricos. Os sensores iriam interagir com as roupas, as botas e os olhos do soldado, além de um computador de controle remoto.

Dessa forma, os músculos se moveriam da forma necessária, com mais força e desempenho. Além disso, seria possível aumentar a resistência a ferimentos e criar desvios automáticos a situações perigosas, graças ao controle remoto. O sistema poderia assumir controle total dos movimentos do ciborgue, de maneira que soldados novatos pudessem se comportar com as habilidades de um veterano.

Substituição do ouvido

Por outro lado, a tecnologia para incremento da audição seria bem diferente. Todo o osso do ouvido médio e a cóclea (caracol interno do ouvido) seriam removidos e substituídos por um implante que aumentaria a audição do soldado.

Assim, ele poderia ouvir sons bem mais graves e mais agudos que o ouvido humano identifica. E ainda comunicar-se com seus colegas de maneira inaudível. Na vida civil, essa tecnologia ajudaria todos os surdos.

Cérebro com chip

A última grande mudança no soldado ciborgue do futuro seria no cérebro. Esse receberia um implante que permitiria que ele controlasse tecnologia apenas com a mente. O ciborgue poderia comandar silenciosamente e sem toque uma grande variedade de aparelhos e dispositivos, desde computadores e armas ao que mais estiver em uso em 2050.

Imagem de um cérebro com chip em um soldado ciborgue.
Chip no cérebro permitiria comunicação sem fala.

De forma ainda mais surpreendente, o implante permitiria que um ciborgue se comunicasse com colegas sem precisar falar. Aliás, direto de cérebro para cérebro. Contudo, isso pode nem demorar tanto: a previsão é de que esses implantes cerebrais sejam possíveis já em 2030.

Além dos EUA, nenhuma outra nação anunciou até o momento planos para criação de soldados ciborgue. E então, você gostou do soldado ciborgue? Acha que nossa sociedade pode melhorar com toda essa tecnologia? Afinal, temos que esperar para ver.

Aliás, já publicamos um artigo sobre um projeto do Elon Musk para implantar chip no cérebro humano. E igualmente você pode ler um artigo sobre a inteligência artificial tentando imitar a nossa. Até a próxima!

Gostou da notícia?

Veja mais sobre
TecnologiaUtilidades
campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email