Raspberry Pi: conheça a placa pequena, barata e com poder de hackear a NASA

Fundação inglesa produz a Raspberry Pi, uma placa simples e barata com finalidade educacional e industrial.

22/07/2019 às 9:00

Imagine uma placa de computador pequena, barata e potente. Pois saiba que ela já existe: Raspberry Pi. A partir dela é possível anexar acessórios, como vídeo ou teclado de modo a ter um computador completo. E o mais surpreendente é que ela já foi usada para hackear a NASA, a agência aeroespacial norte-americana.

O início

A Raspberry Pi foi desenvolvida pelo inglês Eben Upton. O trabalho começou em 2006, inspirado em um computador de 1961. Mas só em 2011 foram produzidos os primeiros modelos de placa com hardware integrado para ser conectado a um monitor, mouse e teclado padrão. A partir daí, foi nasceu a Fundação Raspberry Pi que está ativa até hoje e funciona sem fins lucrativos.

Raspberry Pi: uma placa completa para computador que cabe em uma mão.
Raspberry Pi: uma placa completa para computador que cabe em uma mão.

A ideia original de Upton e sua fundação era ter uma máquina simples para ser usada por estudantes de computação básica. A função seria a de estimular a criatividade dos alunos de escolas públicas, dando empoderamento aos estudantes e incrementando a inclusão social.

Raspberry Pi não usa disco rígido

Portanto, como foi produzida para o uso de crianças, a placa tem um custo extremamente baixo. Até porque sua arquitetura é simples, compacta, mas eficiente. Ou seja, ela é completa. Raspberry Pi possui portas de comunicação (GPIO, USB, Ethernet, Wi-Fi e Bluetooth), processador, memória, saída de vídeo HDMI e uma interface leitora de cartão de memória. Portanto, nada de disco rígido, apenas um leitor de cartão SD.

Dessa maneira, a placa nasceu simples, mas versátil, além de barata. O preço dessa placa, em sua versão mais moderna, é de apenas US$ 35, algo em torno de R$ 136. Perfeita, portanto, para estudantes.

No entanto, de maneira inesperada, as expectativas para o uso da placa foram superadas. Até porque muitas indústrias acharam uso para a Raspberry Pi, e ela passou a ser integrada em vários equipamentos e sistemas.

Versão 4 é mais poderosa

Diante disso, a Fundação lançou uma nova versão da Raspberry Pi, a de número 4. Agora, mais do que nunca, a placa deixou de ser uma simples ferramenta de ensino e passou a ser um prático e pequeno computador de uso geral.

A Pi 4 tem um processador eficiente, o Broadcom 1.5 GHz ARM Cortex-A72 quad core. E ainda saídas HDMI e USB, além de uma entrada USB C, para a fonte de energia. Para você ter uma ideia do poder dessa placa, as duas saídas HDMI são capazes de alimentar simultaneamente duas telas com definição 4K a 30 frames por segundo.

Na Raspberry Pi 4, a entrada de energia é por USB C.
Na Raspberry Pi 4, a entrada de energia é por USB C.

Apesar dela ter ferramentas fundamentais para muitas indústrias, seu fundador não esquece do propósito inicial da placa. “Embora nossas vendas ao sistema educacional sejam menores que as vendas para indústrias, ainda vendemos mais de 1 milhão de unidades para ensino em 2018. O que mudamos com a Raspberry Pi 4 é que ela agora é bem mais utilizável que as versões anteriores como um computador de uso geral”, destaca Upton.

No entanto, embora ótima para usos industriais, a Raspberry Pi não seria o núcleo do computador de seus sonhos. É que ela não tem poder suficiente para jogos complexos, Photoshop ou edição de vídeos. Contudo, sai da caixa pronta para navegar na web, enviar e receber e-mails. E com Wi-Fi.

Fundação Raspberry Pi também produz uma caixinha para acomodar a placa.
Fundação Raspberry Pi também produz uma caixinha para acomodar a placa.

NASA hackeada por Raspberry Pi

Contudo, para lá de suas múltiplas virtudes, a Raspberry Pi tem um uso inadequado: ela é uma das favoritas dos hackers. E um deles a usou para hackear nada menos que a NASA, a agência espacial norte-americana. O fato ocorreu no final do primeiro semestre de 2019.

Um funcionário conectou uma Raspberry Pi à rede interna do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA. Mas ninguém ficou sabendo e o aparelho ficou conectado. Um hacker descobriu, acessou a rede da NASA e roubou 23 arquivos, dos quais pelos menos dois de segredos militares. Aliás, até agora o cibercriminoso não foi descoberto.

O sucesso da Raspberry Pi está vinculado à sua versatilidade, o que a faz ser usada também por hackers
A placa Raspberry Pi é simples e barata e foi desenvolvida para ser usada primordialmente em educação.

Máquinas esquecidas

Em redes muito grandes, como as da NASA, acontece de os coordenadores e superintendentes simplesmente não saberem quais são todas as máquinas conectadas. Dessa maneira, a própria NASA achou várias outras máquinas desconhecidas depois do episódio com a Raspberry Pi.

Então, você gostou da Raspberry Pi? Gostaria de comprar uma e montar um computador para se divertir? A versão 4 foi lançada no final do mês de junho. No entanto, ainda não está disponível aqui no Brasil.

Porém, a Fundação continua produzindo todas as versões anteriores, porque cada uma delas, mesmo as primeiras, mais simples, ainda são úteis. Nesta página da Fundação, conheça seus produtos, incluindo fontes, caixinhas e até um kit completo para montagem de um desktop.

No Google Shopping você encontra, com os mais variados preços, placas Raspberry Pi 3 e anteriores. Além disso, vários acessórios e até um livro (em inglês) que ensina arquitetura de computadores com a Raspberry Pi.

Mas você não quer ser hackeado como a NASA, não é mesmo? Então leia nossos artigos especiais sobre tipos de malwares, sobre programas espiões e ainda sobre segurança da informação. Aproveite!

Gostou da notícia?

Veja mais sobre
SegurançaTecnologia
campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email