Inteligência pode ser estimulada pelo uso da tecnologia

Uma grande pesquisa feita no Reino Unido revela que games são a tecnologia que mais estimula o cérebro.

20/07/2020 às 9:00

Certamente, a inteligência é essencial. Pessoas que se saem bem em testes de inteligência tendem a viver mais, envelhecer melhor e têm possibilidades maiores de alcançar sucesso, tanto acadêmico quanto profissional.

E a tecnologia, ela afinal exerce efeito sobre a nossa inteligência? Uma pesquisa britânica surpreendeu, mostrando que sim, em especial por meio dos games.

Nova conclusão científica

Assim, vamos lhe contar aqui como a ciência chegou a tal conclusão. Até poucos anos, a crença na comunidade científica era de que nascemos com todas as células cerebrais que teríamos até a morte.

E, além disso, que nossa inteligência seria fixa e que, então, essas células entrariam em declínio após os 50 anos. Entretanto, isso não é verdade.

Cérebro em mudança permanente

Primordialmente, agora se sabe que o nosso cérebro tem o que se chama de neuroplasticidade. Em suma, é a capacidade do cérebro de mudar sempre. Ele experimenta, portanto, uma mutação permanente, com a formação de novas células e conexões ao longo da vida.

Nosso cérebro está em permanente mutação .

As mudanças no cérebro e, consequentemente, a inteligência são afetadas por tudo ao nosso redor e até pelas decisões que tomamos. E abrem a interessante possibilidade de termos mais controle sobre nossa capacidade cognitiva.

Pesquisa com 250 mil pessoas

Assim, como esses processos acontecem? Podemos, portanto, aumentar nossa inteligência? O cientista Adam Hampshire, do Imperial College de Londres, no Reino Unido, está fazendo uma pesquisa nesse sentido, com o apoio da BBC (Corporação Britânica de Radiodifusão). 

Dessa forma, desde janeiro de 2020, mais de 250 mil pessoas participaram, um número gigantesco, respondendo perguntas sobre si mesmas e realizando atividades parecidas com jogos.

Inteligência no pico entre 20 e 30 anos

Em suma, uma das conclusões mais interessantes até agora foi que a capacidade de resolução de problemas das pessoas atinge seu pico entre 20 e 30 anos. E vai, em seguida, piorando conforme aumenta a idade.

Da mesma forma, a inteligência espacial, o nível de atenção e a memória do trabalho também alcançam o máximo na casa dos 20 anos e vão diminuindo depois. Isso acontece, sobretudo, porque com a idade nossos cérebros trabalham em um ritmo mais lento.

Milhares de quilômetros de vias neurais

A base da capacidade de pensar rápido e resolver problemas depende das chamadas vias neurais. Cada um de nós, aliás, tem centenas de milhões dessas vias neurais, conectando as células do cérebro. E, se você somasse o comprimento das suas vias neurais, elas dariam a volta à Terra quatro vezes.

Mas, com o tempo, o cérebro sofre processo parecido com a ferrugem. Em conclusão, a transmissão de informações entre as células diminui de velocidade e qualidade.

E a tecnologia, afinal, ajuda?

Os cérebros atrofiam, mas algumas pessoas sofrem menos esse processo do que outras. Isso pode acontecer devido a estilos de vida diferentes. Nesse ponto, voltamos à questão inicial: a tecnologia pode ter efeito sobre a nossa inteligência?

Com a finalidade de responder à pergunta, o estudo do Imperial College é focado particularmente no impacto que o crescente uso da tecnologia pode ter sobre o cérebro. Em síntese, sobre memória, habilidades espaciais e outras áreas cognitivas.

Dispositivos tecnológicos

Dessa maneira, os entrevistados apontaram os tipos de dispositivos tecnológicos que usam. E, de igual forma, com que frequência, há quanto tempo e o que fazem com esses aparelhos.

Além disso, as pessoas pesquisadas ainda falaram sobre pesquisas na internet, redes sociais, jogos e compras online.

Só os games influenciam

E aí veio então a grande surpresa. Não foi revelada nenhuma ligação entre a capacidade intelectual, as tecnologias usadas pelas pessoas ou a quantidade de tempo gasto com essas tecnologias. Todavia, menos em uma área: os games.

A pesquisa concluiu que, quanto mais tempo uma pessoa joga games no computador, tablet ou celular, melhores são suas reações nos testes de memória de trabalho espacial, atenção e raciocínio verbal.

Para qualquer idade

E a idade não influi, significando que jogadores de qualquer faixa etária, enfim, têm benefícios no campo da inteligência.

Os games aumentam a capacidade da pessoa de manter temporariamente as informações para uso em diversas atividades cognitivas, como o pensamento ou a compreensão de fatos e ações.

Jogar no computador

Contudo, ainda há mais um detalhe importante: as pessoas que jogam no computador apresentam resultados melhores do que as que treinam mentalmente, como, por exemplo, fazendo contas de cabeça.

Os games são, então, um hobby muito valioso para aqueles que querem melhorar sua capacidade intelectual.

Treinamento mental, como fazer contas de cabeça, não é tão bom quanto os games .

Games de ação são os melhores

Aliás, outras pesquisas chegaram a resultados semelhantes aos obtidos pelo Imperial College e a BBC.

Mas, enfim, quais são os jogos mais úteis? São principalmente os de ação, aqueles que exigem navegação em vários cenários, busca de alvos e tomada rápida de decisões. Entretanto, quebra-cabeças, como o Tetris, também são bastante benéficos.

Jogos com muita ação são os mais úteis para a inteligência

Porém, mais pesquisas serão necessárias para determinar qual é o número ideal de horas de games por dia. Dessa maneira, se o hábito de jogar no computador prejudicar o número de horas de sono, a necessidade de fazer exercícios e a alimentação, os prejuízos serão maiores que os benefícios.

E as redes sociais?

Por outro lado: interagir nas redes sociais também é positivo? A resposta é não. O uso excessivo das redes sociais não traz benefícios, em especial para as pessoas mais jovens.

O estudo sugere que as redes sociais incentivam a comparação dos usuários com objetivos impossíveis, além de quantificar o status social dos usuários. E isso, com toda a certeza, causa muito estresse. Assim, sem dúvida, um menor número de horas por dia nas redes sociais é sinônimo de maior saúde mental.

Exercícios estimulam o cérebro

Por outro lado, um estudo feito por uma universidade da Austrália revela que a prática de exercícios e a manutenção de um bom condicionamento físico também são muito úteis para a inteligência.

Os exercícios fazem com que mais sangue circule em nossos cérebros, estimulando seu funcionamento. De maneira idêntica, as atividades físicas produzem uma espécie de fertilizante para o cérebro.

Diferença entre sexos

Não há uma diferença no nível de inteligência geral entre homens e mulheres.

Mas mulheres são ligeiramente melhores em inteligência emocional, enquanto os homens são superiores na resolução de problemas. De toda forma, a diferença é sempre muito pequena.

Aprenda uma língua e leia bastante

Outra conclusão importante no estudo: a solidão é uma coisa ruim. Ter parceiros e amigos é então um fator importante para a manutenção da inteligência.

Além disso, é essencial sempre aprender algo novo. Aprender idiomas estimula a inteligência em qualquer idade. E, ainda, o estudo demonstra que ler bastante é muito bom para a inteligência. A tecnologia ajuda, com cursos de línguas online, sites, blogs e e-books.

Equilíbrio conta muito

Em suma, para manter seu cérebro sempre em boa forma, jogue games legais no computador. Entretanto, não passe tempo demais na frente da telinha. Além disso, faça exercícios e mantenha uma alimentação saudável. E reserve algum tempo para aquele curso de alemão, chinês ou russo.

Aliás você sabia que existe uma inteligência artificial que seleciona candidatos para empregos? E que um chip poderá aumentar sua inteligência? Por outro lado, a IA procura imitar a inteligência  humana. Então, confira tudo isso aqui no Vivo Guru, porque ler faz bem para seu cérebro.

Gostou da notícia?

campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email