Veja como a Inteligência Artificial quer mudar o modo como vemos e fazemos arte

Pintura feita por Inteligência Artificial, um simples algoritmo, foi vendida por alto preço em leilão da Christie’s.

26/12/2018 às 17:00

A casa de leilões Christie’s, de Nova York, vendeu recentemente uma pintura por US$ 432.500, algo em torno de R$ 1,665 milhão. O preço de venda foi nada menos que 14 vezes acima da maior avaliação anterior. Aliás, trata-se de um retrato de um homem. Possivelmente francês. Pelas suas vestes, um homem da igreja. Contudo o quadro parece inacabado, as formas são indistintas. O retrato seria de um homem chamado Edmond Belamy. Ele é fictício, não existe. Entretanto, nada haveria de extraordinário nisso, se o quadro não tivesse sido pintado por uma Inteligência Artificial.

Veja como Inteligência Artificial pinta quadros.

O retrato do inexistente Edmond Belamy, feito por Inteligência Artificial.

O artista se chama GAN, Generative Adversarial Network, o que pode ser traduzido como Rede Geradora de Conflitos. Além disso, o GAN assina o quadro com esta equação:

Veja como Inteligência Artificial pinta quadros.

Imagem da assinatura do algoritmo que produziu a obra de arte.

Criador e crítico unidos

Foi esse algoritmo que pintou o quadro. A sua história vem de um coletivo de arte francês chamado Obvious, formado por Hugo Caselles-Dupré, Pierre Fautrel e Gauthier Vernier. O Obvious criou toda uma fictícia família Belamy, e se dedica a explorar as fronteiras entre arte e Inteligência Artificial. Aí surgiu o GAN, aliás um algoritmo composto por duas partes: a primeira é o Gerador (o “criador”, digamos assim) e a segunda, o Confrontador (o “crítico”).

Em síntese, o processo de produção é complexo: o sistema foi alimentado por 15 mil retratos pintados entre os séculos 14 e 20. A partir disso, o Gerador tenta criar uma imagem nova baseada nessa biblioteca, enquanto o Confrontador busca diferenças entre o pintado pelo Gerador e o feito por humanos. A meta é enganar o Confrontador, fazendo-o crer que a arte do Gerador é humana. Assim, quando ele acreditar que a pintura foi feita por humanos, o trabalho está concluído.

Confira 11 coisas que você pode pedir ao Google Assistente

Falhas muito humanas

De acordo com Hugo Caselles-Dupré, “os retratos são a melhor maneira de demonstrar que os algoritmos são capazes de reproduzir a criatividade humana.” O retrato de Belamy tem distorções e falhas que realmente parecem coisa de um pintor humano. Antes dele, o GAN já havia produzido os retratos de dois outros membros da família Belamy. Veja abaixo:

Veja como Inteligência Artificial pinta quadros.

Retrato também pintado por Inteligência Artificial: o Conde de Belamy, que seria avô de Edmond.

Veja como Inteligência Artificial pinta quadros.

Condessa de Belamy, que seria avó de Edmon, primeira pintura feita pelo GAN.

Entretanto, a questão que permanece é: tais trabalhos são arte? Eles carregam emoções? De acordo com o Obvious, a Inteligência Artificial não insere emoções nos quadros, até porque não as têm. Aliás, a ideia de uma máquina possuir uma experiência de mundo e usá-la para fazer algo único por enquanto é só para ficção científica.

Inteligência Artificial ou pessoa?

Assim, quem é o autor dos quadros da família Belamy? É realmente o algoritmo que assina a obra? “Se o artista é quem cria a imagem, o autor seria a Inteligência Artificial.  Mas, se o artista é quem tem a visão e quer compartilhar a mensagem, seríamos nós, do Obvious, os pintores”, argumenta Caselles-Dupré.

No entanto, a venda do retrato do Edmond por um preço altíssimo representa, afinal, o início de algo inédito. Independente das questões sobre autoria e arte, o quadro é atraente. Muita gente, aliás, gostaria de tê-lo em uma parede de sua casa. E isso mostra que a arte produzida por Inteligência Artificial vai se aperfeiçoar e fazer parte do futuro da humanidade.

Um artista de quadros abstratos

E prepare-se para mais, porque o pessoal do Obvious não está sozinho na empreitada. Na Universidade Rutgers, em Nova Jersey, Estados Unidos, um trabalho similar está em andamento. A Inteligência Artificial norte-americana se chama CAN e se propõe a ser criativa, produzir algo não reciclado a partir de arte antiga. A biblioteca é formada não só por retratos, mas por toda a pintura produzida a partir do século 14.

O sistema de “criador e crítico” é igual ao do Obvious, mas o algoritmo é focado no ineditismo. Isso significa algo realmente jamais feito, em nenhum de seus detalhes. Para Ahmed Elgammal, o diretor do projeto, cada obra produzida pelo CAN é uma completa surpresa. Entretanto, há um detalhe especial: o CAN praticamente só cria arte abstrata, nada de retratos.

Veja como Inteligência Artificial pinta quadros.

Pinturas feitas pelo CAN: sempre arte abstrata.

Elgammal acredita que isso acontece porque o algoritmo descobriu a pintura abstrata em sua biblioteca e decidiu que teria de seguir aquele caminho. Então, só desenvolve imagens nunca vistas, nada de retratos e paisagens.

Produção de caricaturas

Assim surge mais uma questão interessante: a Inteligência Artificial pode não só fazer pinturas, como também mudar o curso da história da arte, em sua longa progressão do figurativo ao abstrato. Ou, ainda, transformar o figurativo no quase abstrato. Pois é justamente isso que faz uma GAN desenvolvida pela Microsoft. Mas não para pintar e, sim, para fazer caricaturas.

Veja como Inteligência Artificial pinta quadros.

Trabalhos do CariGAN, da Microsoft: várias caricaturas a partir de uma imagem.

O “artista” chama-se CariGAN, que transforma fotos sem graça em divertidas caricaturas. E, verdade, elas podem facilmente ser consideradas como arte. Esse algoritmo foi treinado com milhares de desenhos feitos a mão.

Então você já sabe: a arte produzida pela Inteligência Artificial veio para ficar. E é bem possível que um dia você tenha um trabalho da IA pendurado em sua parede.

Você quer saber mais sobre Inteligência Artificial e Beleza: Então, leia o artigo A Inteligência Artificial pode nos fazer viver para sempre? E siga conosco no Vivo Tech para mais matérias sobre a Inteligência Artificial!

Gostou da notícia?

Veja mais sobre
TecnologiaUtilidades
campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email