Holograma: o que esperar dessa tecnologia no nosso futuro?

Uso de holograma já acontece e aumentará muito por meio da realidade aumentada, diferente do que mostram os filmes.

05/02/2020 às 9:00

Certamente está fazendo sucesso nas telonas o filme “Ascensão Skywalker”, mais recente lançamento da saga Star Wars. E, pelo serviço de streaming Disney+, agrada igualmente público e crítica a série “The Mandalorian”. Lançada em dezembro de 2019, tem cenas com holograma, assim como todos os filmes de Star Wars remetem a essa tecnologia. Aliás, inegavelmente ninguém esquece a famosa cena em que a Princesa Leia pede socorro por meio de um holograma:

Infelizmente, a série da Disney+ só chega para a gente aqui no Brasil no final deste ano de 2020, quando a Disney lançará seu serviço em nosso país. Enquanto isso, vale saber que cenas como a da Princesa Leia não são um holograma de verdade. Em outras palavras, trata-se de um truque cinematográfico. São imagens projetadas sobre algo sólido, como um filme plástico. Contudo, holograma de verdade deve ficar suspenso no ar, sem qualquer suporte físico.

Conceito de holograma tem 72 anos

A holografia foi concebida teoricamente em 1948 pelo físico húngaro Denis Gabor, que ganharia o Prêmio Nobel em 1971. Mas ela só foi colocada em prática no final dos anos 1960, após a invenção dos raios laser. Aliás, os lasers são a base da holografia, através deles é distribuída a luz que compõe a imagem.

Atualmente, o holograma é utilizado pela física como uma técnica complexa e sofisticada para análise de materiais e ainda armazenamento de dados. Entretanto, até agora não foi possível fazer um holograma e projetá-lo no ar. E nem qualquer outro tipo de imagem. Em suma, tudo que já vimos parecido é truque de projeção. Como, por exemplo, a impressionante aparição falsamente holográfica do rapper Tupac Sajkur, morto em 1996, no Festival Coachella 2012:

Espelhos e uma tela muito fina

As imagens de Tupac foram então construídas com tecnologia de ponta, escaneamento de fotos e um modelo do corpo do cantor. Contudo, a projeção dessas imagens no palco não tinha nada de holograma. Era, em suma, um truque com espelhos e uma fina tela quase invisível no palco.

Então, nunca veremos um holograma de verdade? Talvez sim, há muita pesquisa nessa área. Mas a ciência ainda não sabe dizer quando. Aliás, não será nada fácil projetar no ar uma imagem completa, que pode ser vista em 360 graus.

Holograma e Realidade Aumentada

No entanto, o que temos de mais parecido não são os efeitos especiais do cinema ou de shows de música. O que mais se aproxima de um holograma é a Realidade Aumentada. Com sobreposição de imagens, a percepção do usuário aumenta muito.

Filmes de ficção científica usam muito a ideia do holograma.
Conceito de holograma foi desenvolvido há mais de 70 anos, mas segue sendo impossível na prática.

Na Boeing, por exemplo, funcionários na linha de montagem do modelo de avião 787-8 usam óculos de Realidade Aumentada para facilitar suas tarefas. Os óculos simplesmente mostram ao trabalhador qual fio deve ser encaixado onde. E isso poupa 25% do tempo de montagem, que antes era gasto com consultas a manuais.

Pessoas distantes mas reunidas

Tecnologias semelhantes, baseada em holograma, poderão da mesma forma ser rotina no mundo corporativo. Assim, nas reuniões de trabalho à distância, os participantes, através da realidade aumentada, vão se sentir como se estivessem na mesma sala. A Realidade Aumentada, assim, é a sobreposição de novos elementos aos presentes na cena real.

Essa composição entre o real e o virtual fica bem legal na DeepFrame. Trata-se de uma tela quadrada na qual hologramas virtuais são projetados sobre imagens reais, tanto em 2D quanto em 3D. E assim a mistura é perfeita, como você pode ver neste vídeo:

Holograma sobre para-brisas

Em resumo, esqueça o falso holograma do cinema e preste mais atenção na Realidade Aumentada. Ou seja, a Realidade Aumentada já está presente em sua vida, em coisas como o Google Maps, que lhe oferece recursos bem interessantes quando, por exemplo, você está caminhando. Sem dúvida, vale a pena experimentar. De maneira idêntica, existem elementos de Realidade Aumentada nos filtros que você usa no Instagram e em fotos.

Outra coisa surpreendente que usa holografia e Realidade Aumentada é o WayRay, um projetor de holograma sobre para-brisas de carros, motos ou barcos. Anunciado na CES de Las Vegas de 2019, o WayRay deve chegar brevemente ao mercado para enriquecer e facilitar a tarefa de dirigir, principalmente aumentando a segurança:

Os óculos vão voltar

A expectativa, portanto, é que nos próximos cinco anos os usos da Realidade Aumentada se expanda, com aperfeiçoamentos e novas aplicações. A Realidade Aumentada deve se tornar parte de nosso quotidiano, tão comum quanto enviar uma foto pelo Whatsapp.

Similarmente, não duvide nem um pouco da volta dos óculos de Realidade Aumentada, que muito possivelmente estarão em nosso futuro próximo. Mesmo que o Google Glass tenha fracassado e que o Holo Lens, da Apple, ainda seja pesado e pouco prático. Eles voltarão, e muito melhores. Além disso, outras empresas entrarão nesse mercado. Veja um modelo que já existe, chamado Vuzix Blade AR:

E as pesquisas continuam

E isso sem falar neste VR Box – ou caixa de Realidade Aumentada – que se propõe a substituir um escritório inteiro:

Todos estes equipamentos usam holograma. Contudo, se o que você quer mesmo é ver uma imagem em 3D projetada no ar, há esperança. Pesquisadores de uma universidade em Utah, nos Estados Unidos, conseguiram aprisionar uma partícula atômica e a utilizaram como espalhador de luz, ao ar livre. Fizeram um micro-holograma projetado no nada. E é um começo.

Aliás, já escrevemos sobre Realidade Aumentada aqui no Vivo Guru Blog. E ainda mostramos as diferenças entre Realidade Aumentada e Realidade Virtual. Então, aproveite!

Gostou da notícia?

Veja mais sobre
Tecnologiatelefonia móvel
campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email