Gigantes da tecnologia poderão sair ainda maiores após Covid-19

Covid-19 trouxe problemas, mas também oportunidades para Apple, Microsoft, Facebook e Google, que estão se fortalecendo.

27/04/2020 às 9:00

A Apple saiu fortalecida da crise econômica mundial de 2008. E agora, similarmente, a situação pode se repetir com a Covid-19. Em síntese, a expectativa de especialistas é que as grandes empresas de tecnologia devem sair mais fortificadas após essa pandemia.

A maior parte dos setores da economia mundial está, com certeza, enfrentando enormes dificuldades com a expansão dos casos da Covid-19. Por exemplo, áreas ligadas ao turismo, assim como companhias aéreas, acumulam prejuízos.

Contratações mesmo com a Covid-19

Mas o cenário é bem mais tranquilo para as gigantes da área de tecnologia. A Amazon, de Jeff Bezos, por exemplo, está contratando 100 mil novos funcionários para seus depósitos de produtos. Até porque a demanda de compras via internet aumentou devido a pandemia.

No mesmo sentido, Mark Zuckerberg, do Facebook, disse que o tráfego de vídeos, de chamadas de vídeo e de mensagens explodiu durante a Covid-19.

Imagem do depósito da Amazon durante a Covid-19.
Amazon contratou 100 mil novos funcionários para seus depósitos.

Aliás, não é diferente na Microsoft, outra megaempresa de tecnologia. O uso dos programas da Microsoft para o trabalho remoto cresceu nada menos que 40%.

Enfim, tem mais gente em casa em isolamento e trabalhando em seu próprio lar.

Compra online de quase tudo

Com toda certeza, então, a Covid-19 aumentou as necessidades de tecnologia, supridas por esses gigantes. Aliás, o que a pandemia provoca é o aumento de uma tendência que já existia, a da compra online de quase tudo.

Da mesma forma, serviços como Netflix, YouTube e Prime Video saem robustecidos. Em suma, os cinemas estão fechados e todo mundo tem mais tempo em casa para ver filmes e séries.

Muita gente trabalhando em casa

Antes da pandemia, várias empresas já estavam acabando com os seus centros de processamento para usar os serviços de computação em nuvem da Amazon, Microsoft e Google. Agora, essa é uma tendência que cresce sem parar, já que milhões de pessoas estão forçadas, com a Covid-19, a fazer home office, exigindo ao máximo as infraestruturas computacionais das suas empresas.

Aliás, até a Apple vai bem. No início do coronavírus parecia que a empresa teria problemas, porque ela é dependente de fábricas instaladas na China. Entretanto, muitas dessas companhias já voltaram a funcionar, as pessoas estão gastando cada vez mais nos serviços digitais da Apple e a empresa até se deu ao luxo de lançar novos produtos.

Imagem de funcionários chineses trabalhando em equipamentos da Apple após Covid-19.
Fábricas chinesas que trabalham para a Apple já funcionam normalmente.

Queda no valor das ações

Todavia, isso não significa que as grandes empresas de tecnologia não tenham que se preocupar. Google e Facebook vivem principalmente à base de anúncios, enquanto o mercado publicitário tende a diminuir em recessões econômicas.

Ao mesmo tempo, Apple, Microsoft, Amazon, Facebook e a empresa mãe da Google, a Alphabet, tiveram uma diminuição no valor total de suas ações de mais de US$ 1 trilhão (cerca de R$ 5,3 trilhões), no primeiro mês da crise da Covid-19 apenas nos Estados Unidos. Aliás, tanto a Microsoft quanto a Apple já baixaram suas projeções de vendas e lucros para 2020.

Meta de minimizar as perdas

O cenário, contudo, é preocupante para outras empresas da área de tecnologia. É o caso da Uber e também da Airbnb, grandes, sem dúvida, mas que estão vendo seus negócios minguarem. Por enquanto, analistas garantem que o fortalecimento se aplica exclusivamente às megaempresas. Quanto às médias e pequenas, elas certamente sofrem com a crise e enfrentarão grandes desafios para sair dela.

O setor de tecnologia vende US$ 4 trilhões (R$ 20,8 trilhões). A previsão era de que haveria um crescimento de 5% nas vendas de hardware, software e serviços em 2020. Mas agora não há mais essa expectativa, e a expectativa passa a ser simplesmente minimizar as perdas.

Grandes empresas de tecnologia saem fortalecidas após crise do Covid-19
Gigantes da tecnologia Apple, Microsoft, Facebook e Google crescem durante a pandemia.

Mudança no comportamento

Afinal, quando as rodas da economia voltarem a girar, muitos setores precisarão partir do zero ou próximo disso, tendo perdido quase tudo.

Mas esse não será o caso das quatro grandes: Microsoft, Apple, Facebook e Google. Elas vão se beneficiar, inclusive, das mudanças de comportamento de consumidores que a crise da Covid-19 gerou.

Vejam o exemplo da Amazon. Ela já havia mudado os hábitos dos consumidores em itens como livros, com o seu Kindle. Agora, com as pessoas confinadas em casa, pedir alimentos e produtos de limpeza pelo site se tornou um novo hábito.

Assim, muitos consumidores se viram forçados a experimentar esse método de compras, gostaram e devem continuar com ele mesmo após o final da crise.

De hábito forçado a permanente

Acontece que muitas dessas mudanças forçadas de hábitos podem se tornar permanentes. E se a Amazon contratou multidões de novos empregados para atender a demanda extra nesses tempos de Covid-19, é bem provável que essas pessoas mantenham seus empregos depois. 

Afinal, as vendas de medicamentos para gripe pela Amazon aumentaram 9 vezes. Já as de comida para cães cresceram 13 vezes. E as vendas de papel toalha e papel higiênico triplicaram. Tudo indica, dessa maneira, que muitos desses consumidores mantenham o hábito de comprar da Amazon pela internet após a Covid-19. 

Uso de streaming, chamadas de voz e vídeo

Por outro lado, houve também uma explosão no consumo de serviços de vídeo via streaming. A Netflix teve crescimento no número de downloads de seu aplicativo de 66%, na Itália, e 35%, na Espanha. E isso, aliás, significa um crescimento igualmente no número de assinantes.

Já as chamadas por voz e por vídeo via Facebook duplicaram. Segundo Mark Zuckerberg, em entrevista ao New York Times, sempre há um aumento nesses números no Natal e no Ano Novo, mas o que aconteceu em função do Covid-19 não tem precedentes. Outrossim, o mesmo fenômeno aconteceu com o Facebook Messenger.

Imagem de um casal fazendo videochamada pelo Facebook em época de Covid-19.
Chamadas por vídeo via Facebook atingem números recorde.

Microsoft Teams é um sucesso

E há ainda o caso da computação na nuvem. Foram muitas as empresas que passaram a necessitar desse serviço em função de ter seus funcionários trabalhando em casa.

A Microsoft aproveitou o momento para uma campanha de vendas de sua ferramenta de mensagens e trabalho em grupo, chamada Microsoft Teams. Em virtude disso, as vendas aumentaram nada menos que 37% em apenas uma semana, atingindo 44 milhões de usuários. Assim, 900 milhões de chamadas e reuniões são feitas diariamente com o Microsoft Teams.

Imagem de promoção do Microsoft Teams.
Microsoft Teams já tem 900 milhões de usos por dia.

Presença constante em nossas vidas

Dessa maneira, nem uma pandemia gigantesca como essa do Covid-19 parece abalar as gigantes da tecnologia. E sua presença constante em nossas vidas pode se intensificar cada vez mais. Entretanto, se isso é positivo ou negativo para o mundo, só o futuro poderá dizer.

Aliás, temos várias outras matérias sobre tecnologia aqui no nosso Vivo Guru Blog. Recomendamos um artigo muito especial sobre tecnologia para conservação de alimentos e ainda outro artigo sobre carros sem motorista. Além disso, leia também sobre casas impressas em 3D. Boas leituras!

Gostou da notícia?

campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email