Conheça o Lady Gaga da matemática que coordena pesquisas de inteligência artificial

Por seu trabalho irreverente e relevante, Cédric Villani tornou-se um astro francês, além de ser apontado como o responsável pelo futuro da IA no próprio país e na Europa.

Mas pode o mundo da alta tecnologia ter um pop star? Quem conhece o francês Cédric Villani responde rapidamente que sim e com entusiasmo. Cédric é um matemático, político, parlamentar, representante da comunidade de Orsay, subúrbio de Paris. E mais: referência quando o assunto é o futuro da inteligência artificial, os impactos, benefícios e consequências dessa tecnologia.

Em 2010, Villani ganhou a Fields Medal, o Prêmio Nobel da Matemática, e a partir daí tornou-se embaixador da especialidade. Por quê? “A matemática é o mais escondido de todos os campos do conhecimento. Nós, matemáticos, somos os que menos interagem com o mundo exterior. Quero acabar com isso”,  explica Cédric em entrevista a New Yorker.

Cédric Villani também é o “queridinho” do presidente francês Emmanuel Macron. Inclusive, passou a acompanhá-lo em várias viagens internacionais, além de apresentar projetos que vão do ensino da matemática à evasão de impostos, muitos implantados pelo governo.

Mas o que isso tudo tem a ver com a Lady Gaga?

Cédric Villani tem cabelos longos e usa gravatas bem excêntricas, por isso, surgiu a comparação com Lady Gaga, conhecida por sua irreverência à forma da vestir. No verão ou inverno, Cédric usa terno preto risca de giz, colete, camisa, abotoaduras e um broche de aranha na lapela, além da gravata lavallière em cores berrantes, claro.

Tudo isso, somado a sua forma descolada de se apresentar em eventos como o TED (Technology, Entertainment, Design) e ao seu poderoso conhecimento transformou o cara em referência. Começou então a ser apontado como o astro da matemática!

E o futuro da inteligência artificial?

Cédric chefia a equipe que norteia o desenvolvimento de IA na França, projeto que o restante da Europa deve acompanhar. Sobre o futuro da inteligência artificial: “ela (a inteligência artificial) estará em todos os lugares, como a eletricidade”, afirmou ao The Verge.

De fato, o desafio é grande. Os franceses não têm as plataformas de coleta de datas necessárias para impulsionar a IA, ainda. Além disso, falta a força da sigla GAFA, combinação Google + Apple + Facebook + Amazon.

A cooperação entre academia e indústrias também é pequena no país. E, embora não haja falta de cientistas e engenheiros, muitos migram para ganhar melhor e ter mais liberdade para pesquisar. Em contrapartida, para recuperar terreno em relação aos avanços de Estados Unidos e China e garantir o futuro da inteligência artificial, a França promete não medir esforços.

Convocado pelo governo, Villani já apresentou um texto com diretrizes básicas, intitulado ‘Por uma Inteligência Artificial com Significado – Rumo a uma Estratégia Francesa e Europeia’. Em resumo, o documento propõe a construção de uma indústria europeia de dados e IA. Além disso, pede pelo reforço do ecossistema de dados do continente.

E assim, com toda sua irreverência, o astro da matemática torna-se também o Lady Gaga da inteligência artificial.

Foto de Cédric Villani pulando em frente ao quadro negro. Ele é apontado como o responsável pelo futuro da inteligência artificial na França
Cédric Villani inspira jovens franceses com seu jeito irreverente / Foto: Creative Commons – Potterjos11

França investe 1,5 bilhões de euros em AI

Na equipe de Villani tem pesquisador de máquinas que aprendem, engenheiro ligado ao Ministério da Defesa e especialistas em tudo, de filosofia a direito. Em suma, eles estudam sobre a inteligência artificial na indústria, na política de dados, treinamento e emprego, ambiente, ética e pesquisa.

A expectativa é propor medidas concretas em alguns meses, sobretudo para campos em que a IA deve impactar: saúde, transportes, meio ambiente e defesa. Tudo isso com um olhar baseado em política de privacidade de dados e padrões éticos. Ou seja, levando em conta a nova legislação europeia, que entra em vigor em maio de 2018 e amplia a proteção da privacidade dos cidadãos.

Vai faltar verba? Não! A França anunciou um investimento em 1,5 bilhões de euros (cerca de R$ 6 bilhões) em inteligência artificial.

Conheça mais sobre o irreverente Cédric Villani

Apesar de inteligência artificial ser um campo muito vasto e complexo, por incrível que pareça, Cédric não era um especialista no assunto. Como ele entrou nessa, então? Porque em todo o parlamento francês não havia ninguém mais habilitado e nem capaz de aprender sobre o tema rapidamente.

Além de renomado pesquisador matemático, Villani tem capacidade de trabalho e temperamento diplomático e otimista. Sobre AI, ele ainda diz: “o assunto cresceu tanto e tão significativamente que você teria que ser cego e surdo para não se interessar”. E suas grandes preocupações não são técnicas: “queremos evitar os efeitos potencialmente destrutivos da IA nas questões econômicas e no tecido democrático, garantindo que inteligência artificial seja um negócio de todos”.

Villani é autor de best seller

O cara é mesmo especial. Entre seus livros publicados, destaque para Birth of a Theorem: A Mathematical Adventure, que vendeu mais de 100 mil exemplares na França e foi traduzido em oito idiomas (infelizmente, ainda não publicado em português). A obra mistura trechos de diário, transcrição de e-mails e complexas equações matemáticas, de maneira tão interessante que o editor o classificou como “romance”. O tema do best seller: uma prova matemática da estabilidade de plasmas sem colisões.

Ele tem rotina de astro

De fato, a vida de Cédric Villani parece a de um astro do cinema ou música. Como Lady Gaga, ele não pode sair à rua sem ser abordado por adolescentes querendo uma selfie ou simplesmente tocá-lo.

Em dia de trabalho comum de Cédric: pela manhã, ensinou equações diferenciais num curso aberto online. Depois fez uma aparição com o Ministro da Educação da França. A partir das 16h, concedeu três entrevistas, duas para programas de rádio e outra para TV.  Por fim, ainda apareceu duas vezes ao vivo, inclusive no famoso noticiário francês Le Grande Journal.

E além de tudo, é uma ótima influência

Com toda a certeza, a divulgação da matemática que Villani faz pela mídia reflete positivamente. O grupo francês e internacional de instituições de ensino da ciência recebeu mais de US$ 24 milhões (cerca de R$ 87 milhões) em doações, nos últimos cinco anos.

Clément Mouhot, ex-aluno de doutorado e colaborador de Cédric, diz que poucos matemáticos gostariam de ter uma vida como a do astro. Mas o próprio Villani não se importa: “Você deve falar sobre coisas fora do seu campo de conhecimento para dar mais chance às pessoas de se relacionarem com você”.

Atualmente, Cédric Villani dedica-se inteiramente à inteligência artificial. Se daqui a alguns anos a França tiver acesso a uma IA amigável e benéfica para todos, que possa impactar outros países da Europa e além do continente, o “abandono” da matemática pelo astro de cabelos longos e gravatas excêntricas terá valido a pena.

Ficou fascinado pelo francês Cédric Villani? Então continue no VivoTech para conhecer melhor outro pop star da tecnologia, o Elon Musk. Inspire-se!