Entenda a relação entre IoT e Big data

Internet of Things (IoT) e big data estão intimamente interligados e, embora não sejam a mesma coisa, é muito difícil falar sobre um sem mencionar o outro.

Mais dispositivos e objetos agora estão vinculados à internet, transmitindo os dados que reúnem para fins de análise. O objetivo você já sabe: utilizar esses dados para aprender mais sobre tendências e padrões que podem ser utilizados para causar um impacto positivo em nosso estilo de vida, conservação de energia, transporte e saúde. No entanto, os dados em si não criam esses objetivos, mas sim as soluções que emergem da sua análise.

Nesse contexto, há dois termos fundamentais: a Internet das Coisas (IOT) e big data. Estes estão estreitamente entrelaçados e, embora não sejam o mesmo, é muito difícil falar sobre um sem o outro. Antes de analisarmos sua conexão, vejamos essas duas práticas separadamente.

Big data

O termo big data surgiu muito antes da chegada do IoT para realizar análises e descreve o imenso volume de dados, organizados ou não, que recebemos todos os dias – é importante frisar que, neste momento, estamos falando apenas de quantidade de informação, não de qualidade. Ainda sobre a definição sobre o termo, cunhado nos anos 2000 por Doug Laney, quando a informação demonstra velocidade, variedade e volume (ou seja, três Vs), é considerada big data.

Hoje, 17 anos depois, big data afeta praticamente todas as indústrias que analisam dados para encontrar respostas que, de acordo com o site SAS, permitam 4 coisas:

  1. redução de custos;
  2. redução de tempo;
  3. desenvolvimento de novos produtos e ofertas otimizadas;
  4. decisões mais inteligentes.

Internet das Coisas

A noção de IoT é ter uma ampla gama de coisas e convertê-los em objetos inteligentes – qualquer coisa como carros, relógios, frigoríficos e faixas ferroviárias. Normalmente, os produtos que não estariam ligados à Internet e capazes de adquirir e gerenciar dados, são comercializados com chips e sensores de computador com o objetivo de coletar dados. No entanto, ao contrário dos chips utilizados em dispositivos móveis, smartphones e PCs, esses chips são utilizados principalmente para coletar dados que especificam o desempenho do produto e os padrões de uso do cliente.

IoT e Big Data juntos

Esta tecnologia disruptiva precisa de novas infraestruturas, incluindo aplicações de software e hardware, bem como um SO; as empresas devem lidar com o influxo de dados que começa a fluir e examiná-lo em tempo real, pois ele evolui de forma muito rápida, em fração de segundos. É aqui que o big data deve ser considerado; as grandes ferramentas de análise de dados têm a capacidade de lidar com grandes volumes de dados gerados a partir de dispositivos IoT que criam um fluxo contínuo de informações. Mas, para diferenciar entre eles, o IoT fornece dados dos quais a análise de dados pode extrair informações para gerar outras informações necessárias.

No entanto, a IoT conduz dados em uma escala completamente diferente, de modo que a solução analítica deve acomodar suas necessidades de processamento e ingestão rápida, seguido de uma extração rápida e precisa.

Dá para entender?

De forma resumida, o desenvolvimento de um processo de conversão de dados em uma visão acionável é uma parte crucial do sucesso em big data e IoT. De acordo com o site JaxEnter, McKinsey afirma que as empresas devem pensar através da qualidade das informações que estão coletando e analisando e, então, projetar seus sistemas para otimizar esse processo.

Com o aumento do número de dispositivos conectados, as organizações terão mais oportunidades de utilizar esses dispositivos para coletar dados relevantes e úteis que possam aprimorar seus processos de negócios.


Fonte: JaxEnter e SAS


Veja mais sobre