Conheça as novas tecnologias de reconhecimento facial para Android

Chegam ao mercado sistemas que permitem o desbloqueio de smartphones a partir do olhar do usuário!

13/09/2018 às 17:00

Reconhecimento facial é uma tecnologia muito buscada por fabricantes de celulares equipados com Android. Motivo: possivelmente é a maneira mais prática e ágil para o desbloqueio de aparelhos e a autenticação no pagamento de contas. Aliás, Facebook e até aeroportos andaram testando a tecnologia, conhecida por ter um processo de desenvolvimento complexo.

No entanto, recentemente surgiram dois novos caminhos para que os usuários tenham as vantagens do reconhecimento facial em aparelhos com Android. Um vem da China, o outro é do Google. Mostramos tudo aqui para você!

Novidade no mercado

A chinesa Xiaomi, uma das maiores fabricantes de celulares do mundo, lançou recentemente um smartphone que deu o que falar. O motivo? O aparelho foi equipado com uma tecnologia avançada de reconhecimento facial. Batizado de Xiaomi Mi 8 Explorer, o smartphone reconhece as feições das pessoas por meio do IR VSCEL (ou cavidade vertical de superfície emissora de laser de infravermelho). Assim, o sistema funciona a partir de um diodo a laser, responsável por fazer o escaneamento em 3D.

A tecnologia é, principalmente, usada para desbloquear aparelhos ou garantir segurança em estabelecimento, como hotéis. Porém, já estão sendo analisados várias outras funções – com grande praticidade em um futuro próximo:

  • Com um celular equipado com IR VSCEL, é possível fazer uma imagem em 3D do seu pé;
  • Aí, você envia tal imagem para um fabricante;
  • Esse, por sua vez, produzirá um calçado perfeitamente adaptado de acordo com as suas características.

É seguro?

O sistema é avançado e seguro, em especial pela profundidade da leitura facial proporcionada pela tecnologia IR VSCEL. E a experiência da Xiaomi é a primeira em aparelhos celulares. Aliás, ela proporciona elevada eficiência ótica e um gasto menor de bateria, enquanto escaneia o rosto do usuário com um flash. No celular, flash e emissor de raios infravermelhos integram a tela, junto à câmera e ao sensor de proximidade.

O IR VSCEL foi desenvolvido pela empresa AMS (página em inglês), assim como a versão miniaturizada chamada de PSIL. Essa última demorou 15 anos para ser aprimorada. A AMS tem parceria com a Xiaomi, que passou a usar o PSIL depois de compará-lo com outras tecnologias. 

Aliás, o lançamento da empresa chinesa de celulares é um ensaio geral para avaliação da reação dos usuários ao sistema. Se a eficiência for grande e a avaliação positiva, a mesma tecnologia será incorporada a smartphones de outros fabricantes.

Flash e emissor de raios infravermelhos na tela do Xiaomi Mi 8 Explorer

E o Google vem aí!

A outra iniciativa para reconhecimento facial com Android vem do Projeto de Fonte Aberta, do Google. A gigante acredita que apenas o reconhecimento facial pode satisfazer a todos os usuários do Android. Isso não acontece, por exemplo, com identificação por impressão digital ou código PIN (Person Identification Number ou Número de Identificação Pessoal).

Aliás, a Intel, fabricante de chips de telefone, está envolvida no projeto. Dessa forma, a companhia já desenvolveu a tecnologia RealSense de câmeras com visão em 3D, perfeita para reconhecimento facial.

Assim, a expectativa é de que o próximo telefone do Google, o Pixel 3, já possa usar um novo sistema (o aparelho será lançado nos Estados Unidos no quarto trimestre de 2018). É possível que seu lançamento coincida com a nova versão do Android, a “P”. 

Reação à concorrência

Vários fabricantes de aparelhos com Android têm se dedicado ao reconhecimento facial nos últimos tempos. Dessa forma, a Samsung lançou um sistema com o Galaxy S8. Mas, em testes, os celulares foram desbloqueados com a apresentação de uma foto em vez de um rosto real.

Reconhecimento facial feito com foto, da Samsung

Já a concorrente Apple tem um sistema que funciona bem. É o Face ID, lançado com o iPhone X. Ele é simples e rápido: basta um olhar e o Face ID desbloqueia o iPhone X com segurança. Dessa forma, pode ser usado para autorizar compras na iTunes Store, App Store e iBooks Store. E para fazer pagamentos com o Apple Pay.

Os desenvolvedores de aplicativos para sistemas operacionais da Apple podem permitir o uso do Face ID em seus apps. Aliás, todos que operam com o Touch ID são igualmente compatíveis com o Face ID. Sua autenticação é intuitiva, segura e é ativada por câmera TrueDepth de última geração, mapeando o rosto com precisão.

Olha só como funciona a câmera TrueDepth:

  • Projeta mais de 30 mil pontos invisíveis;
  • A partir deles, cria um mapa de profundidade do rosto do usuário;
  • Ao mesmo tempo, captura uma imagem infravermelha do rosto;
  • Os dados são transformados em uma representação matemática, que é comparada aos dados faciais registrados.

Como funciona

O Face ID adapta-se automaticamente às mudanças na aparência, como usar maquiagem ou deixar a barba crescer. Dessa forma, se houver alteração significativa, como um bigode, o sistema confirma a identidade pelo uso do código de acesso do usuário. Só então atualiza os dados do rosto. O Face ID se adapta a chapéus, lenços, óculos, lentes de contato e diferentes tipos de óculos de sol. Aliás, funciona em ambientes externos, internos e até no escuro.

Reconhecimento facial da Apple prevê o uso de acessórios, como lenços e chapéus

A câmera TrueDepth tem alcance de visão similar ao de quando você registra uma foto. Aliás, funciona melhor quando o iPhone está a um braço ou menos de distância do rosto (de 25 a 50 cm).

Sempre que você desbloqueia seu iPhone X, a TrueDepth o reconhece pela captura de dados em profundidade e imagem infravermelha. Ambas são comparadas com uma representação matemática armazenada para autenticação.

Gostou da matéria? Você já tem um iPhone X com reconhecimento facial ou está esperando a funcionalidade nos aparelhos com Android? Enquanto isso, aproveite para navegar pelo Vivo Tech e ficar por dentro das novidades! Uma delas é o novo recurso do WhatsApp, que dedura quando a mensagem foi encaminhada!

Gostou da notícia?

Veja mais sobre
mobileTecnologia
campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email