Como proteger seus dados em redes públicas de Wi-Fi

13 dicas de segurança eficazes para você se conectar e navegar sem se preocupar com as suas informações

20/06/2018 às 9:00

Você já usou uma rede de Wi-Fi pública? Muitas vezes, elas são uma mão na roda para economizar o pacote de dados, não é mesmo? O Brasil tem mais de 200 milhões de celulares ativos e 86% dos brasileiros utilizam redes públicas. Mas como proteger seus dados e navegar em segurança em redes públicas?

Preparamos uma série de dicas para você navegar com toda a tranquilidade. Acompanhe aqui!

1 – Comunicação e espionagem

O primeiro passo é saber como tudo funciona. Ao usar seu laptop, tablet ou smartphone em Wi-Fi público, o dispositivo se comunica com serviços que precisam da conexão. Se essa comunicação não estiver protegida, qualquer pessoa com certo conhecimento em computação poderá espionar o que você está fazendo.

2 – Muitos pontos pelo país

São mais de 7 mil pontos públicos de Wi-Fi no país. Eles são utilizados para ler e-mails, acessar redes sociais, fazer internet banking e baixar aplicativos, como de música ou vídeos.

3 – Quem se importa?

O Wi-Fi é muito importante para os brasileiros. Olha só estes dados de pesquisa da Norton, publicada pelo UOL:

  • 72% não se importam de baixar apps, compartilhar dados ou assistir comerciais para utilizar redes Wi-Fi gratuitas;
  • 83% só vão para hotéis que oferecem Wi-Fi nos quartos.

4 – Cuidado com os malwares

A verdade é que pessoas mal-intencionadas conseguem interceptar sua conexão com redes públicas. O que acontece, então? Tudo que você faz no smartphone passa para elas, que podem instalar um código malicioso – ou malware – e rastrear conexões. Malwares são programas feitos para se instalar em dispositivos alheios para causar danos ou roubar informações.

5 – Tenha sempre um antivírus

Como evitar isso? Em primeiro lugar, mantenha sempre um antivírus instalado em seu celular. Todos smartphones Android têm Google Play Protect instalado. E ele é eficaz. – como você pode ver neste artigo aqui do Vivo Tech. Se você preferir outros antivírus, o mesmo texto oferece sugestões de produtos de qualidade.

6 – Não acesse seu banco

Em redes públicas, resista à tentação de acessar seu banco. Além disso, não forneça qualquer informação pessoal quando conectado a uma Wi-Fi pública. Aliás, faça esse tipo de operação em casa ou em uma rede que você sabe ser segura.

7 – Busque sempre o https

Tenha certeza de acessar somente endereços com conexão segura. Como saber isso? Olhe a barra de endereços do navegador: endereços seguros começam com “https” e ainda exibem ícone de cadeado. Conexões com https são criptografadas e fornecem segurança suficiente para uso diário.

Invadir uma conexão dessas é muito mais difícil, tornando a vida de criminosos complicada. Por outro lado, se o certificado digital do servidor não for válido, o seu navegador exibirá um aviso. Contudo, não ignore tais avisos, eles são importantes para que você não acesse um site potencialmente inseguro. Há sempre o risco de a insegurança ser também a porta de entrada para invasões.

8 – Já conhece as VPNs?

Se for possível, assine uma VPN (Virtual Private Network) ou Rede Virtual Privada. Aliás, as VPNs são construídas sobre a infraestrutura das redes públicas. Elas criptografam (codificam) todos os dados transmitidos, por isso são seguras e fáceis de usar, mas têm custo. 

9 – A criptografia dos iPhones

Todos iPhones saem da fábrica com criptografia de ponta, por isso são seguros. O Android também oferece criptografia. Você pode conferir se ela está ativa em seu aparelho indo em Configurações (ou Ajustes) e em Segurança e Localização. Para decifrar criptografias de 256 bits, como dos iPhones, seriam necessários milhões de anos de trabalho de um conjunto de supercomputadores.  Mas salientamos: embora a criptografia seja ótima, ela não dispensa a prática de todas as outras precauções.

10 – Tenha tudo atualizado

Mantenha sempre seu sistema operacional Android e seu navegador atualizados. Contudo, as atualizações devem ser feitas por conexões confiáveis, como as de sua casa ou de seu trabalho.

11 – Mais autenticação

Se possível, utilize a autenticação em duas etapas. Aliás, esse sistema está sendo cada vez mais utilizado para proteger contas que requerem senhas de acesso. Bancos já obrigam seus clientes a utilizarem autenticação com dois fatores para realizar operações via internet. Dessa forma, muitos utilizam um token ou um código enviado via SMS, além da senha do usuário. Isso evita que sua conta seja acessada mesmo que alguém roube sua senha.  

A dica que trazemos a seguir parece mero detalhe, mas não é. Se você está em local com conexão pública ativa e não a utiliza, desligue o Wi-Fi do celular ou tablet. Assim o dispositivo não fica conectado o tempo inteiro e não se torna alvo fácil para os cibercriminosos. Lembre-se: quanto menos tempo você passar conectado, maior será sua proteção.

13 – Para Windows e Mac

Se você vai usar rede Wi-Fi pública usando laptop com Windows ou um Mac, desabilite o compartilhamento de arquivos. No Windows, abra o Painel de Controle, acesse a Central de Rede e Compartilhamento. Depois, abra as Configurações de Compartilhamento Avançadas e marque a opção Desabilitar Compartilhamento de Arquivo e Impressora. Já no Mac, acesse Preferências de Sistema, selecione Compartilhamento e desmarque a opção Compartilhamento de Arquivos.

Gostou das dicas? Coloque-as em prática e passe a aproveitar as redes Wi-Fi públicas com a certeza de informações seguras. Mas também é importante estar atento ao que acontece de novo. Os criminosos sempre encontram brechas para atacar, e aí empresas de antivírus e sites seguros tomarão outras medidas de proteção. E você também!

Quer saber mais sobre segurança? Vale a pena ler aqui no Vivo Tech Como criar senha segura.

Gostou da notícia?

Veja mais sobre
SegurançaUtilidades
campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email