Com serviços on demand, qual o papel da TV por assinatura?

Com tantas opções de gadgets, dispositivos móveis e serviços on demand no mercado, a TV por assinatura parece um recurso obsoleto. Mas isso é realmente verdade?

14/01/2018 às 16:24

Com tantas opções de gadgets, dispositivos móveis e principalmente serviços on demand no mercado, a TV por assinatura parece um recurso tecnológico obsoleto, que atuou ativamente no convívio entre pessoas no século passado, mas que já não promove interação entre conteúdo e telespectadores da forma com que as pessoas, cada vez mais conectadas às plataformas digitais, esperam receber.

No entanto, essa reflexão pode estar distante da realidade – ou pode ser a realidade de uma porcentagem de pessoas acostumadas a consumir conteúdo on demand através de dispositivos móveis. Isto é, pessoas que pagam uma assinatura mensal/anual para ter acesso a conteúdos/serviços à sua disposição. Bons exemplos são: Netflix e Vivo Music Play.

Se em algum momento os dois modelos vão deixar de conviver, ainda é difícil de prever. Apesar do on demand estar na preferência das novas gerações, a tv por assinatura mantém sua credibilidade em alta. Prova disso, 69% da população brasileira acredita que informações veiculadas na TV são mais confiáveis, de acordo com a Advice Comunicação Corporativa e BonusQuest. E estes números devem aumentar até o fim de 2018, muito porque há uma comoção das plataformas digitais e do governo de determinados países, incluindo o Brasil, em combater notícias falsas na internet.

Claro, há uma diferença entre consumo de conteúdo on demand e consumo de notícias. Enquanto um costuma ser para fins de entretenimento,como música, séries, documentários e filmes, o outro existe para informar a sociedade. No entanto, mais da metade da população brasileira segue compreendendo a televisão como fonte primária de informação, logo, a resposta do título pode ser a seguinte: o papel da tv por assinatura é de servir como fonte de notícia e conteúdo on demand. Como? Fácil. Escolhendo o serviço certo, você tem a possibilidade de tornar sua tv por assinatura em um serviço on demand. É o caso da Vivo Play.

Além disso, os recursos interativos da TV por assinatura, por exemplo, a tornam menos estática do que o esperado. Você não precisará ficar preso na sala de casa ou no quarto para assistir TV; pode consumir através de seus dispositivos móveis, gravar conteúdos e ter muito mais autonomia do que você imagina. Falando em funções adicionais da TV, há um recurso atual bem interessante: o gravador digital.

Gravador digital

Um dos contrapontos da tv por assinatura é a grade de programação. Mas não pense que estamos falando de qualidade. Há ótimos conteúdos em todos os canais. O grande problema é o horário que cada, filme, capítulo da novela, documentário ou seriado é exibido, afinal, na maioria das vezes não estamos em frente à TV para acompanhar o que desejamos assistir.

E esse problema não é novo. As reprises, por exemplo, nasceram com o objetivo de suprir essa necessidade. No entanto, a lógica das reprises também acaba sendo frustrante, uma vez que a pessoa precisa dispor de tempo e muita vontade para ir ao site do canal ou do programa para conferir quando o conteúdo será exibido novamente. E nada garante que ela conseguirá, de fato, assistir.

Por esse motivo, o gravador digital é uma excelente solução. Com essa opção, você consegue gravar até quatro programas simultaneamente. Depois de gravado, você pode assistir a qualquer momento, sempre que quiser, bem como o serviço on demand. É como se você adquirisse uma biblioteca de conteúdos que despertam seu interesse, e esses conteúdos, apesar de seguirem a lógica de produção da TV, estivessem sempre à sua disposição.

Gostou da notícia?

Telefônica
Vivo. Patrocinadora Oficial da Seleção dos Brasileiros
Viva Tudo
172.30.0.187