Casa pronta em 1 dia: conheça a técnica de impressão em 3D

A construção é de baixo custo e muito resistente, por usar argamassa. Técnica será aplicada em projeto de habitação social em El Salvador.

09/08/2018 às 9:00

A técnica de impressão em 3D tem evoluído a cada ano. Para se ter uma ideia, recentemente uma casa foi construída com a tecnologia em Austin, no Texas, Estados Unidos. Aliás, a moradia é erguida em 24 horas e a parte impressa custa apenas US$ 4 mil (ou R$ 14,8 mil)! A empresa fabricante quer fazer as residências em projetos humanitários em países pobres. Veja como funciona:

A construtora é a startup Icon, em parceria com a organização sem fins lucrativos New Story. Aliás, a ONG já promove há algum tempo habitação para famílias necessitadas por meio de doações de terceiros. No contrato com a Icon, ainda agrega uma nova tecnologia ao processo: a impressão em três dimensões.

No Texas, foi construído o protótipo que será replicado em projeto em El Salvador, país da América Central. E a ferramenta utilizada é a impressora 3D Vulcan. Veja a Vulcan em ação neste vídeo. E a revolução que ela representa na construção de residências:

Argamassa em vez de plástico

A Vulcan é semelhante às impressoras 3D para residências, escritórios e pequenos negócios. No entanto, as diferenças estão no tamanho (ela pesa uma tonelada) e no material utilizado como matéria prima: em vez de plásticos, o equipamento usa argamassa.

A impressora constrói as paredes com argamassa, camada sobre camada. Tem largura de 6,9 metros, altura de 3,3 metros e comprimento adaptável, de acordo com a dimensão da construção.

O bico injetor de argamassa corre ao longo de trilhos enquanto vai depositando as camadas. Cada uma tem 7,6 cm de altura e 10,1 cm de largura – essa é a largura das paredes.

Assim, a Vulcan ergue uma casa com área entre 55 a 74 metros quadrados em 24 horas de trabalho. Mais um dia ou dois são necessários para a finalização e acabamentos: portas, janelas, telhados, encanamento, instalação elétrica e pintura. Essa parte final tem custo à parte, variável de acordo com os materiais utilizados.

A casa do Texas, que será reproduzida em El Salvador, tem sala, quarto, banheiro e uma varanda em curva. Com 74 metros quadrados, é bem maior que todos os outros protótipos de casas feitas com impressoras 3D. Aliás, a moradia tem praticamente a área de um apartamento médio da cidade de São Paulo ou até de Nova York.

Todas as experiências anteriores com casas impressas utilizavam o plástico, com resultados insatisfatórios. Dessa forma, os prédios tinham de ser construídos em uma fábrica e depois transportados ao seu local definitivo. Porém, a Vulcan quebrou um paradigma ao utilizar a argamassa. Isso é uma garantia de solidez que o plástico não consegue oferecer.

Baixo consumo energético

Como a Vulcan ergue a casa já no seu terreno, é mais fácil e prático transportar  uma impressora 3D desmontada do que uma casa pronta inteira.

Casa com um quarto e banheiro impressa com a Vulcan

Ao contrário do que acontece na construção tradicional, erguer uma casa com a Vulcan praticamente não deixa resíduos. Aliás, tem baixo consumo energético, operando apenas com quatro pequenos motores. Usar motores de baixa potência é fundamental nas redes elétricas instáveis dos países em desenvolvimento.

A argamassa de concreto da Vulcan é mais resistente que materiais como madeira compensada, comum em construções de baixo custo. Além disso, o concreto é barato e suporta variações de temperatura. El Salvador receberá 100 casas impressas já em 2019. Alta velocidade e baixo custo devem levar a construção civil cada vez mais no rumo da impressão em 3D.

A estrutura da Vulcan: simples mas eficaz

Em outros planetas

A Vulcan, e máquinas que surgirão depois dela, têm a capacidade de operar em qualquer terreno. Alias, funcionam mesmo com restrições no abastecimento de energia elétrica e água.

Como a matéria prima pode ser apenas areia e água, a Icon pensa muito grande. A empresa entrou em concurso da NASA para projetos de equipamentos capazes de construir em outros planetas, utilizando materiais nativos. As impressoras 3D podem ser perfeitas para a tarefa, já que não necessitam de oxigênio.

Projeto brasileiro

O Brasil não está parado no campo da impressão de casas em 3D. Existem vários projetos. Um deles é o da empresária Anielle Guedes. Ela criou em 2015 a Urban 3D, uma startup que quer aprimorar os processos da construção civil usando impressão 3D. 

A paulistana de apenas 25 anos estudou no conceituado MIT (Massachussets Institute of Technology). Hoje se dedica à Urban 3D e a seu projeto de moradia inclusiva, buscando investidores que a apoiem. Você pode saber mais sobre Anielle e a Urban 3D lendo esta matéria.

Este texto foi útil? Você acha que a impressão 3D vai mesmo revolucionar a construção civil? E poderá até ajudar na solução do problema de falta de moradias dignas? O certo é que as tecnologias se integram cada vez mais às nossas vidas. Aproveite e leia nosso artigo sobre as tiny houses, casas pequenas, mas muito tecnológicas.

 

Gostou da notícia?

Veja mais sobre
Impressão em 3DTecnologia
campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email