Biomimética: conheça tecnologias inspiradas na natureza

Recursos emulados a partir dessa ciência ainda surpreendem, mas já fazem parte da realidade.

29/01/2018 às 15:16

A palavra biomimética até pode soar um tanto quanto estranha. O termo nem de longe é corriqueiro. Entretanto, essa ciência está em alta, evoluindo constantemente e lançando projetos incríveis inspirados na natureza.

Isso mesmo! Biomimética é a ciência que aprende com os modelos da natureza. Ela os emula, os usa como inspiração ou se baseia em seus processos para solucionar problemas humanos de forma sustentável. Neste contexto, claro, encontram-se propostas na área da tecnologia.

De acordo com Giane Cauzzi Brocco, fundadora do Biomimicry Brasil, certificada Especialista pelo Biomimicry 3.8, pioneira em trazer o assunto para o país e mestre em Engenharia de Produção e Sistemas, “pesquisadores como Stephen Wainwright afirmam que a biomimética ultrapassará a biologia molecular como a mais desafiadora e importante ciência biológica do século”.

A especialista lembra da invenção do velcro, que “foi criado por George de Mestral, após estudos de como os carrapichos ficavam grudados no pelo do seu cachorro”. Outro exemplo, “a economia de energia com o uso do ar-condicionado em grandes edifícios, inspirada no modo de refrigeração de cupinzeiros”, cita Giane.

Agora, levando em conta o avanço tecnológico, projetos ainda mais incríveis explicam por que a biomimética é tão promissora. E você, já havia imaginado que a natureza pode responder a tantas perguntas?

Biomimética #FromBrazil

Desenvolvido pela GCP Arquitetura e Urbanismo, o Votu Hotel – localizado na Praia dos Algodões, Bahia – foi projetado a partir de soluções tecnológicas de conforto térmico e eficiência energética aplicando a biomimética. Todas as estratégias inovadoras permitem que as dependências do Votu Hotel sejam mais agradáveis evitando o uso excessivo de energia com climatizadores.

As soluções de biomimética nortearam o partido arquitetônico para as suítes, fechamentos de todos os prédios e coberturas eficientes. O organismo que inspirou a ventilação natural e constante, garantindo conforto térmico mesmo quando o espaço está fechado, foi o cão de pradaria. O animal faz suas tocas enterradas no solo com entradas e saídas de ar.

Já o fechamento destas construções foram inspirados na capacidade de auto-sombreamento de alguns cactos. Por fim, no prédio principal, a cobertura da cozinha, que também é uma laje jardim, atua como um grande trocador de calor inspirado nos bicos dos tucanos.

Foto da fachada do Votu Hotel, projetado a partir da biomimética

Imagem: GCO Arquitetura e Urbanismo

Do outro lado mundo…

No Japão, existe um trem-bala inspirado no pássaro martim-pescador. Chamado de Shinkansen, quando projetado o meio de transporte alcançava a velocidade de 300 km/h, mas emitia um som que extrapolava os padrões ambientais de poluição sonora. Parte do problema estava no design da parte frontal do trem. Para resolver, os pesquisadores buscaram por um animal que enfrentava condições semelhantes. O martim-pescador precisa mergulhar para se alimentar, e troca rapidamente de um ambiente de baixa resistência (ar) para um com muita resistência (água), logo, sua aerodinâmica é perfeita para a situação. Visto isso, os japoneses remodelaram a parte frontal do trem-bala para um formato similar ao bico da ave. Resultado: os trens não passaram apenas a viajar de maneira mais silenciosa, mas também se tornaram 10% mais rápidos e 15% mais econômicos.

Foto de um Shinkansen: trem-bala japonês inspirado no pássaro martim-pescador

Imagem: Japan Guide

E se você pudesse comer a embalagem do seu computador?

Você pode! A Ecovative, investe em materiais para substituir o plástico e isopor, por exemplo. A empresa norte-americana produz embalagens e também diversos produtos como cadeiras e isolantes acústicos utilizando o micélio (raiz dos cogumelos) como matéria prima principal, além de restos orgânicos de fazendas de produtores locais.

Atualmente, a Ecovative é líder mundial em biomateriais criando e ampliando produtos ecológicos. Os materiais são 100% biodegradáveis com custo e desempenho competitivo à materiais convencionais.

Tá, mas o que a tecnologia tem haver com isso? Diretamente, a ideia não está associada a desenvolvimento tecnológico, mas acontece que marcas gigantes como a Dell fecharam parceria com a Ecovative. Ou seja, você pode comprar um computador e este vai chegar embalado nesse biomaterial. Após desembalar, basta enterrar como adubo para horta ou jardim. Agora, se você for bem corajoso, pode até comer a embalagem. Que tal?

Diretor da Dell, segurando embalagem produzida em parceria com a Ecovative, desenvolvida a partir da biomimética

Imagem: Greener Package

Umidade do ar = água para beber

Imagine viver em um mundo onde comunidades que sofrem com a escassez de água possam usufruir de caixas d´água que funcionem como produtoras desse recurso natural tão importante? Pois bem! Esse mundo não está assim tão distante, porque já existe um sistema que absorve, armazena e a transforma a umidade do ar em água potável. Infelizmente, nenhuma grande empresa se propôs, ainda, há investir em um modelo de alta escala.

De qualquer forma, vale explicar que o projeto, assinado por Kitae Pak e chamado de Dew Bank, foi inspirado no processo de captura e armazenamento de água do besouro da Namíbia. O inseto vive no deserto localizado entre África do Sul e Angola, e utiliza tal mecanismo para sobreviver.  

Gostou da notícia?

campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email