De NY a Londres em 3 horas: conheça o avião supersônico da Nasa

Projeto com tecnologia silenciosa tem investimento de US$ 634 milhões e conta com concorrentes da iniciativa privada

18/07/2018 às 14:00

Viajar é uma delícia, mas fica difícil encontrar alguém que goste de passar horas e horas dentro de um avião. Afinal, quanto mais você fica dentro dele, menos tempo tem para aproveitar uma praia ou um parque, por exemplo. De olho nessa questão, a NASA, agência norte-americana de tecnologias de exploração espacial, decidiu desenvolver um modelo de avião supersônico.

A expectativa é que o avião voe cerca de 2 mil quilômetros por hora e, consequentemente, faça trajetos em menor tempo. Por exemplo, uma viagem entre Londres e Nova York seria realizada em cerca de 3 horas (5 horas a menos do que acontece hoje). E o melhor: tudo isso por um preço semelhante ao das passagens de classe executiva dos aviões atuais.

Apesar da informação do avião supersônico ter sido divulgada recentemente pela agência espacial dos EUA, o desejo de diminuir o tempo de viagens não é um assunto novo. Aliás, já teve outras tentativas. Apesar disso, o projeto da NASA traz algumas novidades. Descubra aqui tudo sobre o primeiro avião supersônico e no que o projeto norte-americano se diferencia.

Concorde, o pioneiro

Se você é jovem, talvez nunca tenha ouvido falar. Mas já houve um avião comercial de passageiros supersônico, chamado Concorde. A aeronave usada pela Air France e British Airways era uma maravilha tecnológica que voava a 2.158 quilômetros por hora. Aliás, transportou passageiros entre 1976 e 2003.

No entanto, o Concorde foi aposentado devido ao estrondo sônico, grande ruído que fazia ao ultrapassar a barreira do som. Os habitantes das cidades por onde ele decolava e pousava consideraram o barulho inaceitável.  Hoje, qualquer avião que quebre a barreira do som é proibido em espaços aéreos comuns.

Concorde, o primeiro avião comercial supersônico

Concorde, o primeiro avião comercial supersônico

A barreira do som

Vamos recorrer à Física para entender a barreira do som e como ela é quebrada:

  • Em primeiro lugar, o som se propaga pelo ar em ondas concêntricas. Ela é bem semelhante às ondas formadas quando uma pedra cai na água;
  • Além disso, a barreira do som é o limite de velocidade em que um avião pode se deslocar no ar, sem atropelar ondas sonoras emitidas por ele mesmo;
  • Já a velocidade do som no ar é de cerca de 340 metros por segundo, ou seja, 1.200 quilômetros/hora, variando conforme a altitude;
  • Enquanto o avião acelera, as ondas de som vão se juntando em uma espécie de pilha resistente à sua frente;
  • Finalmente, quando o avião supera a velocidade das ondas e rompe essa pilha imaginária, acaba consequentemente gerando o enorme estrondo sônico.

Interessante notar que tudo isso só ocorre no momento de ruptura da barreira. Portanto, quando a velocidade do avião fica superior à velocidade do som, já não se ouve mais o barulho. O que é bem semelhante a quando se arremessa um objeto em uma janela de vidro e ela se rompe. O barulho só existe no momento em que o vidro se estilhaça.

Quer ouvir um estrondo supersônico? Observe nesse vídeo como um caça militar rompe a barreira do som.

Um supersônico sem estrondo

A novidade é que a agência norte-americana promete um avião capaz de voar na velocidade máxima sobre a Terra sem ruídos que agridam as pessoas. Sim, ele pretende ser mais silencioso que o Concorde.

O protótipo, que já está sendo construído na Califórnia, pela Lockheed Martin Aeronautics Company, se chama X-59 QueSST. A sigla significa Quiet Supersonic Technology, que em português quer dizer Tecnologia Supersônica Quieta.

Testes em outro avião

A expectativa é que o X-59 QueSST  só esteja finalizado para voar em 2021. Mas os experimentos, provavelmente, devem começar ainda em novembro de 2018.

Nos testes, a tecnologia QueSST será instalada em um avião-caça militar F/A 18 Hornet, com velocidade de 1.800 quilômetros/hora. A intenção é alcançar com ele níveis de ruído permitidos por lei. Inclusive, as comunidades por onde ele passará estão selecionadas e os moradores deverão relatar quaisquer barulhos indesejáveis.

Caça militar Hornet será primeiro avião a testar a nova tecnologia

Caça militar Hornet será primeiro avião a testar a nova tecnologia

O protótipo final do avião terá nariz comprido e fino. Além disso, contará com 30 metros de comprimento, nove de largura e 15 toneladas. Ele será menor que a futura versão de passageiros, a qual deverá comportar 100 passageiros.

NASA investe US$ 634 milhões

Os planos da NASA já foram aprovados pelo governo norte-americano, na última proposta de orçamento dos EUA. O valor liberado é de US$ 634 milhões, o que equivale a R$ 2,4 bilhões.

Do total, a Lockheed Martin vai receber US$ 247 milhões (R$ 938 milhões) para desenvolver o protótipo que recebeu o apelido de Low Boom X-Plane, o que significa avião experimental de baixo estrondo.

Os Estados Unidos acreditam que o avião supersônico abrirá mercado para as empresas construírem aviões comerciais mais rápidos. O que consequentemente criará mais empregos no país.

Veja nesse vídeo o que a NASA fala sobre o projeto:

Os testes devem ir até 2023. Se a tecnologia supersônica silenciosa for aprovada, em 2025 teremos o projeto de um avião de passageiros supersônico. E após uns cinco anos, você poderá ir da América do Norte à Europa em três horas.

Mais supersônicos silenciosos

Porém, a agência espacial do governo dos Estados Unidos não está sozinha na busca pelo supersônico silencioso. Conheça dois projetos de empresas privadas que concorre com a NASA:

Boom Technology

Em parceria com a Virgin Galactic, a BoomTechnology desenvolve modelo para 55 passageiros. Vale a pena conferir, pois o avião tem um design belíssimo! Com velocidade de 2.726 quilômetros por hora, o projeto promete que você voe de Nova York a Londres em menos de três horas.

Avião da Boom terá capacidade para 55 passageiros

Spike Aerospace

A empresa norte-americana Spike também evolui em tecnologia supersônica silenciosa. Seu S-512 Quiet Supersonic Jet está em fase adiantada de desenvolvimento. Será um avião para até 18 passageiros, com velocidade de 1.975 quilômetros por hora e autonomia para voos transoceânicos.

Pelo cronograma da Spike, o modelo deve voar no início de 2021 e ter primeiras unidades entregues aos clientes em 2023. Além disso, a Spike tenta patentear sua tecnologia de voo supersônico silencioso, que ainda está sob segredo.

Já se imaginou voando a velocidades supersônicas? É animador ver projetos sendo desenvolvidos para melhorar nossas vidas. Quer conhecer mais um ótimo exemplo de tecnologias no ar? Leia aqui no Vivo Tech um artigo sobre drones.

Gostou da notícia?

Veja mais sobre
TransporteUtilidades
campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email