Afinal, como funciona o Árbitro de Vídeo (VAR)?Entenda Melhor Aqui.

A tecnologia vem sendo usada nos jogos e causado muita polêmica. Quer ficar por dentro de como funciona o VAR? A gente ensina!

25/06/2018 às 14:00

O sábado de 16 de junho de 2018 ficará marcado para sempre na história. Em uma disputa acirrada, logo na primeira rodada do campeonato de futebol mais importante do mundo, a França sofreu para conseguir vencer a Austrália por 2 a 1. E o gol que abriu o placar na vitória do time francês veio de um pênalti que só foi possível de se confirmar com o uso do Árbitro de Vídeo, o famigerado VAR.

Quando Griezmann foi derrubado dentro da área, o juiz se viu em dúvidas entre dar pênalti ou não e recorreu ao auxílio do árbitro de vídeo. Com ajuda do VAR, confirmou a penalidade. O próprio Griezmann converteu a cobrança. Posteriormente, a Austrália empatou. Em seguida, a França reverteu o resultado para 2 a 1. Mesmo sendo um jogo de abertura de campeonato, a história foi feita: pela primeira vez o VAR era usado em um campeonato desse porte.

A tecnologia do VAR chegou para ficar no futebol

A tecnologia do VAR chegou para ficar no futebol. (Imagem: Divulgação)

Para além desse primeiro jogo, no Mundial já tivemos muitos outros momentos em que o VAR foi decisivo para o resultado de uma partida – quando usado e quando esquecido. No jogo do Brasil contra a Costa Rica, por exemplo, Neymar sofreu um pênalti, que logo foi confirmado pelo juiz. Em seguida, ele foi confirmar a penalidade no vídeo. Resultado? Anulou o pênalti e o jogo seguiu no 0 a 0, causando revolta entre os jogadores da Seleção Brasileira.

Em muitos aspectos, a tecnologia ainda causa estranheza ao torcedor. Quando é realmente necessária? Ela se sobrepõe ao julgamento do árbitro de campo?

Já falamos brevemente sobre a tecnologia no futebol por aqui. O VAR ainda é um assunto novo e que pede atenção, sem dúvida. Aliás, assim como outras tecnologias que estão sendo usadas na competição. Para elucidar a ideia e o funcionamento dessas inovações e mostrar até onde elas podem afetar no resultado de um jogo de futebol, trazemos esta matéria.

Acompanhe com a gente e fique por dentro de todas essas novidades, para que você não perca nada nos jogos que ainda estão por vir!

Como funciona o VAR

Sala do Sistema de vídeo-arbitragem VAR

Sala isolada do VAR, onde assistentes ajudam a analisar as jogadas. (Imagem: Divulgação)

O sistema de vídeo-arbitragem VAR (do inglês, sigla para Video Assistant Referee) foi lançado em meio a polêmicas em dezembro do ano passado. Contudo, voltou à tona agora com o campeonato de futebol mais importante do planeta.

Na verdade, não se trata de nenhuma tecnologia digna de filme de ficção. O VAR nada mais é do que um sistema composto por um conjunto de câmeras que repassam as imagens do jogo em uma cabine isolada. Assim, assistentes de vídeo podem rever as jogadas e apontar quando houve ou não uma jogada duvidosa ou digna de revisão.

Estamos falando de um apoio vindo de fora de campo para o juiz. Aliás, este, muitas vezes não está tão perto da jogada quanto deveria. Dessa forma, precisa de um auxilio para ser justo ao julgar uma falta, um pênalti ou algo do tipo.

Esse auxílio vem em duas vias: tanto o árbitro pode ficar em dúvida e chamar o VAR, quanto o VAR pode ver um pênalti que o juiz não viu e chamá-lo a considerar o lance, por exemplo. Com um monitor à beira do campo, o árbitro revê os lances duvidosos e toma sua decisão final. Em todos os casos, a decisão do árbitro em campo é soberana.

Pode isso?

O árbitro não pode recorrer ao VAR em toda e qualquer situação. Aliás, isso acabaria mais atrapalhando do que melhorando o aproveitamento da partida. De fato, são apenas quatro os tipos de lances que podem ser revistos:

  • Gols

Uma das funções do VAR é “ajudar o árbitro a determinar se houve alguma infração que impeça de validar o gol”. Ou seja, o VAR revisa possíveis impedimentos, posturas ilegais (toque de mão, por exemplo) e até se a bola entrou mesmo.

  • Pênaltis

É função do VAR auxiliar o árbitro em campo a decidir corretamente ao marcar pênalti ou não nas disputas mais nebulosas.

  • Cartões vermelhos

Com o VAR, o árbitro pode garantir que o jogador seja punido corretamente em caso de infração.

  • Identificar corretamente jogadores

O VAR pode ajudar quando, em jogadas com muitos jogadores envolvidos, o árbitro não consegue identificar todos. Assim, não consegue dar falta ou outra punição cabível para um ou mais deles.

Ainda assim, o VAR é visto ainda com tanta reticência pelos torcedores. O sistema não veio para acabar com os erros de arbitragem, mas sim para auxiliar a evitar erros graves. No entanto, ainda é operado por humanos. E humanos erram, eventualmente.

Uso no Brasil

Uso do Sistema de vídeo-arbitragem VAR no Brasil

No Brasil o VAR ainda é não é uma realidade para todos. (Imagem: Divulgação)

No Brasil, o VAR ainda é uma grande novidade e uma imensa polêmica. A CBF foi pioneira ao pedir  uma chance de testar a tecnologia em seus campeonatos. No entanto, quando a hora chegou, abriu mão dela por considerar o sistema caro. Entre idas e vindas, o VAR ainda é uma incerteza em nosso futebol.

A maioria dos clubes brasileiros têm se mostrado favorável ao uso do Árbitro de Vídeo nas competições por aqui. O principal entrave é mesmo a questão econômica. Aliás, ela é quem faz os times menores não poderem arcar com a tecnologia. Apenas para se ter uma ideia, a infraestrutura do VAR custa algo em torno de R$ 500 mil apenas para um turno, e R$ 1 milhão para o campeonato inteiro para cada clube.

Por uma questão de justiça, se um time usar o VAR todos os outros também têm o direito e a obrigação. Dessa forma, isso invalida que as partidas entre times com maior poder financeiro contra times pequenos sejam auxiliadas pelo VAR. Vetar foi a decisão da maioria, então.

Ainda assim, teremos a chance de ver o VAR ser executado em jogos brasileiros muito em breve. O árbitro de vídeo se fará presente a partir das quartas de final da Copa do Brasil de 2018, como teste, tendo seu custo bancado pela CBF.

Outras tecnologias

Relógio inteligente da Hublot

Relógio inteligente da Hublot ajuda juízes a apitar com mais precisão. (Imagem: Divulgação)

Nem só de VAR vive a competição de futebol mais importante do mundo. Caso não tenha notado, no pulso de cada juiz do campeonato está um relógio inteligente com recursos tecnológicos de ponta criados especialmente para a ocasião.

O smartwatch, foi desenvolvido pela Hublot e tem o objetivo de ajudar o juiz em seu trabalho dentro de campo. Aliás, a sua principal tarefa é informar se foi gol. Para isso, o relógio está conectado à Tecnologia da Linha do Gol. Trata-se de um sistema de vídeo que segue a trajetória da bola e determina com precisão se ela cruzou a linha ou não. Ao confirmar o gol, o relógio vibra e exibe a mensagem “GOAL”. Em seguida, o árbitro pode apitar convicto!

O smartwatch roda em Wear OS, versão do Android para vestíveis. Além de precisar gols, pode avisar que a partida vai começar em 15 minutos, informar quem levou cartões vermelhos ou amarelos e anunciar as substituições dos jogadores.

Para quem quiser sentir um pouquinho de toda essa tecnologia, o preço é salgado e é preciso correr. Além dos que já estão com os juízes, existem apenas 2018 exemplares do relógio à venda, pela bagatela de US$ 5,2 mil por unidade. Que tal?

Seja como for, é bem claro que a tecnologia veio para ficar no futebol. E você também pode usá-la a seu favor: Que tal aprender como tornar a sua TV normal em uma smart? Continue com a gente para mais conteúdos sobre tecnologia, futebol e mundial da Rússia!

Gostou da notícia?

Veja mais sobre
Entretenimentoesporte
campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá o melhor da tecnologia no seu email